50 tons de Liberdade – não tão liberto assim

50 tons de Liberdade

Na última quinta-feira (08) chegou aos cinemas do Brasil o último filme da trilogia “50 tons de cinza”. As obras literárias foram escritas por E L James, são três livros pela ótica de Anastasia Steele e um quarto pelo olhar de Christian Grey.

Em 2015 os livros ganharam uma adaptação para as telonas que prometia deixar todos expectadores sem ar. A franquia se ergueu e levou milhões de fãs começar consumir seus filmes e livros.

50 tons de liberdade é o último filme desta trilogia e por carregar esse peso, deixou muito a desejar. Um filme vazio resume as horas que você irá ficar na poltrona do cinema. Não podemos ser injusto com toda a franquia mas, esse último ato foi bem fraco.

No primeiro filme fomos apresentados a uma história de origem, apresentação dos personagens e início de um romance um pouco fora dos padrões. Durante o longa conseguimos claramente ver o amadurecimento da protagonista e como o Sr. Grey começa a ser maleável ao encontrar provavelmente sua futura esposa. O sexo e todos os brinquedos peculiares do milionário são um plano de fundo a toda essa história trazendo boas risadas para quem está assistindo.

Já no segundo, lidamos com algumas tentativas de conflitos, não sabemos se Anastasia ainda irá continuar nas mãos de Grey após aparecer um amor antigo ai no ar. A erotização da história continua até porque ela é um elemento fundamental em toda construção da história.

Chegamos então ao terceiro filme – que poderíamos passar direto –   A primeira hora do filme é uma enrolação extremamente vazia, sexo, viagens, lugares bonitos, carros e mais sexo. Acredito que resumi muito bem toda primeira parte do filme.

Ai vem uma tensãozinha, Anastasia grávida e Christian Grey odeia essa ideia a ponto de ir passar a noite com a sua ex-professora de sadomasoquismo e voltar para casa bêbado, pasmem.

E realmente quando a gente acha que vai, o filme apresenta o final horrível, em uma outra tentativa de conflito “ação”, onde a irmã de Grey é sequestrada pelo ex-chefe de Anna e a mesma é intimada para busca-lá, essas cenas são desanimadoras. Levando em consideração que o filme enrola tanto a ponto de você não saber como vai acabar tudo em 5 minutos. E a novidade é: Ele acaba tudo em 5 minutos. Uma pequena ressalva é o bebê que eles tiveram, um menino extremamente lindo, ai concordo que puxou aos pais.

No geral, 50 tons de cinza é aquela franquia que ou você ame ou você odeia, não existe possibilidade de ser simplesmente simpatizante. Esse foi o pior filme da trilogia, uma pena para uns e um alívio para outros. Assisti em uma sala com umas 200 mulheres que simplesmente amaram cada segundo, quando problematizaram o sadomasoquismo eu pouco me importei o meu medo é positivar o machismo e deixar ele “bonitinho Grey”.

Tenho certeza que se você é um amante de filmes de romance, sempre vai esperar algo a mais do que um dialogo entre duas pessoas que parecem ter 15 anos, Christian Grey com seu ar soberbo e milionário ainda arranca suspiro de muitas mulheres. Eu particularmente tenho vontade de bater nele durante o filme todo – e não é nem no quarto vermelho.

Se você gostou do filme, prepamos uma lista com filmes parecidos com 50 tons de Liberdade para você aproveitar. Confira!

Henrique Arjona

Editor responsável por caçar as melhores opções para você ver, ouvir e ler na hora que quiser!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *