Batalhas que mudaram o mundo – Parte 1

Sou um viciado em livros de historia, mas meu principal hobby é ler sobre as grandes batalhas já travadas pela humanidade. Por isso, a partir de hoje, iniciarei uma série sobre as batalhas mais importantes que ocorreram na historia. Usei como critério para escolhê-las as que tiveram maior importância na formação cultural e geográfica dos povos e nações atuais, passando por um período que vai desde 400 A.C até 1944 D.C.. Espero que vocês gostem e possam acompanhá-la.
Neste post falarei sobre as batalhas de Maratona, Termópilas (a famosa batalha dos 300 de esparta) e Gaugamela.





batalha de maratona

Batalha de Maratona
Quem lutou: Gregos (Miltíades) versus Persas (Dario I)
O que estava em jogo: A civilização grega e a democracia que nela estava surgindo naquele momento


Em 490 a.C., Dario I, comandando em torno de 50 mil homens e com uma poderosa marinha de guerra, desembarcou na planície de Maratona, que fica a menos de 50 km de Atenas, a fim de reprimir os atenienses pelo auxílio dado durante a rebelião das cidades na Anatólia.

Milcíades, general ateniense, enviou um mensageiro com um pedido de ajuda aos espartanos, mas esses responderam que só poderiam enviar suas tropas dali a seis dias, pois estavam em meio a celebrações religiosas. Milcíades, que já tinha sido governante de uma cidade na Trácia e conhecia as táticas de guerra dos persas, resolveu marchar imediatamente para Maratona e enfrentar os invasores.

A batalha de Maratona ocorreu em setembro de 490 a.C.. Os atenienses e os plateenses iniciaram a ofensiva contra os persas. Numa planície apertada entre o mar e as montanhas, um contingente de no máximo 15 mil gregos avançou contra os persas, buscando a batalha corpo a corpo. Heródoto conta que os súditos persas ao verem os gregos se aproximando velozmente, sem o auxílio nem de cavalaria, nem de arqueiros, acreditaram que estavam diante de um exército irracional, e muitos fugiram do combate.

Tamanha foi a violência dos gregos que os persas tiveram que recuar para seus navios. Milcíades mandou um mensageiro até Atenas para avisar sobre a vitória, enquanto marchava com suas tropas até o porto de Falero, para impedir uma nova tentativa de desembarque de Dario.

O exército dos persas voltou para o Oriente. Por 10 anos o Império Persa se ocupou com outras questões: conquista de outros povos, submissão de rebeliões dentro do império, problemas nas sucessões dinásticas, dando tempo para que os gregos se reorganizassem para um futuro, e iminente, novo combate.


Curiosidade: O mensageiro enviado a Esparta e posteriormente a Atenas era o mesmo homem, Pheidippides. Em homenagem a seu feito na primeira Olimpíada da era moderna, em 1896, foi criado a prova da Maratona, com um percurso de 40 km.





300 de Esparta



Batalha das Termópilas
Quem lutou:
Gregos (Leonidas I) versus Persas (Xerxes)
O que estava em jogo: A civilização grega e a democracia.


Termópilas é um desfiladeiro localizado na Grécia que serviu de palco para a batalha entre persas e gregos. O conflito foi provocado pelo anseio do persa Xerxes de dominar o território grego.
Para o conflito, Leônidas encontrou grandes dificuldades já que o exército persa já se aproximava e os espartanos comemoravam as honrarias ao deus Apolo e o resto da Grécia comemorava os Jogos Olímpicos, o que impedia qualquer tipo de guerra naquele momento. Sem outros recursos, Leônidas partiu para o conflito com apenas 300 Hoplitas espartanos e não mais de 7 000 aliados de outras cidades gregas.

Apesar da desproporção entre os exércitos (7000 mil contra 250 mil ) os espartanos e seus aliados conseguiram repelir os ataques do exercito persa até que Efialtes, nome que até hoje é sinônimo de traidor na Grécia, se aliou a Xerxes, como prova de seu ressentimento, e lhe mostrou um caminho desconhecido que levaria o exército espartano à Termópilas fazendo com que os persas cercassem os espartanos e os massacrassem violentamente.

Leônidas foi decapitado, crucificado e sua cabeça foi empalada. No local do conflito hoje, há homenagens a Leônidas bem como para todo o exército que, apesar de ser em minúscula quantidade se comparada ao exército persa naquele tempo, guerreou com coragem pelo seu povo e pelo que acreditavam. Num monumento de homenagem há os dizeres “Digam aos espartanos, estranhos que passam, que aqui, obedientes às suas leis, jazemos”.

Os gregos conseguiram causar um grande impacto sob as tropas de Xerxes, matando dois de seus irmãos e enfraquecendo enormemente a força invasora Persa, onde em posteriores batalhas, os persas foram facilmente derrotados, inclusive no mar, forçando o fim da campanha invasora Persa.





Batalha de Arbela ou Gaugamela
Batalha de Arbela ou Gaugamela
Quem lutou:
Gregos (Alexandre, o Grande) versus Persas (Dario III).
O que estava em jogo: A civilização ocidental.

O macedónio Alexandre Magno ou “O Grande” com 47 mil soldados derrotou os 246 mil persas do imperador Dário III, em Gaugamela, a leste da actual Mossul, norte do Iraque, palco de outras batalhas contemporâneas.

A formação de Alexandre era relativamente simples. À frente da cavalaria, na asa direita, marchava o esquadrão real, comandado por Clito. Próximo a ele, outra cavalaria de elite recebia ordens de Filotas, filho de Parmênio. Nicanor, também filho de Parmênio, liderava um grupo de soldados com escudos. Alexandre tinha ainda o suporte de vários aliados e dos generais Antígono, Leonato, Nearco, Cassandro, Ptolomeu e Heféstio.

Já Dario mantinha em seu flanco esquerdo a cavalaria bactriana com as tropas de Dahai, sob o comando do sátrapa Besso, e de Aracósia liderada por Barsantes, os persas a pé e a cavalo, e os soldados de Susa e Cadúsia. À direita, os exércitos da Coele-Síria e Mesopotâmia, entre outros. O rei em pessoa postou-se no centro com seus parentes, protegidos pela guarda persa, os indianos, cários, uxianos, sitacênios e os arqueiros mardos. Dario dispunha também da cavalaria cita, cerca de 100 citas em bigas e mil bactrianos.

Logo no inicio da batalha a cavalaria disparou a toda velocidade em direção aos inimigos, com soldados a pé correndo pela retaguarda. Acompanhado de Clito, Heféstio, Ptolomeu e seus cavaleiros, Alexandre sinalizou para que as tropas de Cassandro desviassem de seu rumo para a esquerda. Em meio à densa poeira levantada e à confusão, os persas perseguiram o flanco de Cassandro, abrindo uma brecha no centro de suas próprias forças e deixando vulnerável a posição de Dario. Alexandre aproveitou a chance e cavalgou em direção ao rei. Se conseguisse eliminá-lo, desarticularia o exército inimigo.

Esse ataque direto em seu centro assustou os persas postados mais longe que ao ouvirem gritos de seus companheiros teriam entendido que o rei estava morto. Houve pânico e a guarda de Dario logo se desfez. Completamente exposto, o soberano deu meia-volta e abandonou a batalha. Enquanto Alexandre se preparava para persegui-lo, Filotas chegou com um pedido de socorro de Parmênio, cujo flanco, que ficara para trás para conter a ofensiva, ainda estava sob ataque. Entre socorrer o aliado e caçar o inimigo, Alexandre optou pela primeira alternativa. Após derrotar todo exercito persa e conquistar seu acampamento Alexandre imprimiu uma marcha de mais de 110 km até Arbela para garantir que Dario nunca mais reunisse um exercito imperial.


Curiosidade: Antes da batalha, para motivar os seus homens, Alexandre profere a frase “Vencei o medo e vencereis a Morte!”.

Leo Cruz

Especialista em criar aquilo que um dia você vai procurar no Google. Fã de Filmes, Séries e Animes, escreve diariamente no Deveserisso.

22 comentários sobre “Batalhas que mudaram o mundo – Parte 1

  1. Bom eu não penso assim,mas respeito sua opinião.
    A Grecia foi berço da Democracia e se Xerxes ou Dario tivessem ganho essas batalhas o conceito de Democracia e de sociedade como conhecemos seria diferente. Imagine se os nazistas tivessem ganho a guerra o mundo não seria diferente ?

    Essas guerras podem ser consideradas as guerras mundiais da epoca.

  2. O “Eu mesmo” aí em cima mostra o nível de inteligência e o tipo de combate que precisamos combater hoje em dia.

    Triste ver uma pessoa que não reconhece no passado (mesmo o mais distante e longíquo) as razões e a origens de várias das coisas que temos hoje.

    Para ilustrar um pouco isso, jovem, eu lhe digo que se o gregos não tivessem vencido essas batalhas e perdurado na antiguidade, nem sequer essas letras (esses signos) nós estaríamos usando hoje. Caso você não saiba, alfabeto é uma palavra de origem grega, bem como a forma de nossas letras deriva também das letras deles…. coisa de 2500 anos atrás.

  3. Batalhas importantes para o mundo foram: Dia D, Pearl Harbour, Waterloo e por ai vai. Essas so tiveram impacto local ou efeitos somente vistos depois de séculos.

  4. Muito bom. Teve um looser ai que disse que essas batalhas não mudariam a história do mundo.
    Cara… Você nunca viu tv mesmo, não é? Mude o passado, mude o futuro. Quão mais longincuo o passado, mais alterações no presente.

    O Beto citou Leningrado e Normandia. Podz crer que elas foram importantes, mas sem a batalha da Bretanha, os nazistas ainda dominariam a Europa… Ou pelo menos a guerra teria terminado lá pelos anos 50.

    Caro dono do blog,
    como eu sou só um blogueiro de passagem, lembra de colocar:
    a batalha de Viena, a da floresta de Teotoburgo e quem sabe até Gettysburg.
    Se vc tiver disposto a estabelecer uma parceria, meu blog é o lenincapitalista.blogspot.com
    Abraço,
    S.S.

  5. pois é, esse “eu mesmo” não tem muita noção de consequencias. a cultura grega foi a que mais influenciou a cultura romana.
    a história romana foi a que mais influenciou todo o ocidente.

    eu que sou graduado em direito, sei que basicamente os fundamentes jurídicos hoje em dia foram alicerçados em roma com grande influência dos gregos.

    isso sem falar na lógica, na filosofia, etc. que vieram dos gregos e tem influencia enorme sobre nós (ainda que muitos não se apercebam disso).

    para ilustrar um pouco melhor, imagine que nós viveríamos a cultura dominante no oriente médio caso os gregos fossem invadidos pelos persas.

  6. Eu adoro história antiga, principalmente a parte de batalhas e guerras… li mto sobre isso, e fiquei satisfeito com o post, embora tenha dado mais enfase a grécia.

    Espero que em posts posteriores, possamos ter mais informações sobre outras batalhas importaantes que as vezes são esquecidas, como o Adrianópolis (378) kamikaze no japão (1281), a batalha de lepanto na grécia (1571), Agincourt (1415)e Waterloo (1815)

  7. Fantástico o seu post! Adoro tudo o que se relaciona a História, principalmente a antiga!
    Estou no aguardo da sequencia e parabéns!!

  8. Gostei de ler as opiniões de vocês, pretendo a cada 15 dias colocar uma nova parte dessa série. Como era o começo foquei mais nas batalhas entre persas e gregos, mas no proximo post continuarei seguindo a linha do tempo. Por ultimo eu vou tentar fazer um post explicando a importancia da civilização grega para o mundo moderno porque vejo que muita gente não sabe da imensa contribuição dessa civilização

  9. Excelente,adorei. Adoro história, e de guerras também.
    Poucos veeem a importancia real dessas guerras em nossa civilização só pq é muito antigo.
    Mas pode-se colocar em tese tb, batalhas q se não houvesse derrota o q poderia ter mudado, como por exemplo a derrota Inca para Cortez e toda sua cultura se tornando um grande misterio que creio q vc falará posteriormente

  10. aí Kra só me decepcionei por vc não ter colocado a batalha de Stalingrado já na era moderna do séc.XX pois essa foi a batalha deissiva na virada dos Aliados na Seg.Guerra mundial e para todo o mundo, logo essa q foi a batalha mais sangrenta da história da humanidade e q aqueles q morreram, se feriram e se sacrificaram para impedir o domínio nazista

  11. Gente este vai ser uma serie de post essas foram 3 batalhas muito importante para o mundo como conhecemos hoje, mas só sao as 3 primeiras. A cada 15 dias eu vou colocando outras partes e Staligrado com certeza fará parte dessa série .

  12. Batalha das Termópilas
    Quem lutou: Gregos (Leonidas I) versus Persas (Xerxes)
    O que estava em jogo: A civilização grega e a democracia.

    Termópilas é um desfiladeiro localizado na Grécia que serviu de palco para a batalha entre persas e gregos. O conflito foi provocado pelo anseio do persa Xerxes de dominar o território grego.
    Para o conflito, Leônidas encontrou grandes dificuldades já que o exército persa já se aproximava e os espartanos comemoravam as honrarias ao deus Apolo e o resto da Grécia comemorava os Jogos Olímpicos, o que impedia qualquer tipo de guerra naquele momento. Sem outros recursos, Leônidas partiu para o conflito com apenas 300 Hoplitas espartanos e não mais de 7 000 aliados de outras cidades gregas.

    Apesar da desproporção entre os exércitos (7000 mil contra 250 mil ) os espartanos e seus aliados conseguiram repelir os ataques do exercito persa até que Efialtes, nome que até hoje é sinônimo de traidor na Grécia, se aliou a Xerxes, como prova de seu ressentimento, e lhe mostrou um caminho desconhecido que levaria o exército espartano à Termópilas fazendo com que os persas cercassem os espartanos e os massacrassem violentamente.

    Leônidas foi decapitado, crucificado e sua cabeça foi empalada. No local do conflito hoje, há homenagens a Leônidas bem como para todo o exército que, apesar de ser em minúscula quantidade se comparada ao exército persa naquele tempo, guerreou com coragem pelo seu povo e pelo que acreditavam. Num monumento de homenagem há os dizeres “Digam aos espartanos, estranhos que passam, que aqui, obedientes às suas leis, jazemos”.

    Os gregos conseguiram causar um grande impacto sob as tropas de Xerxes, matando dois de seus irmãos e enfraquecendo enormemente a força invasora Persa, onde em posteriores batalhas, os persas foram facilmente derrotados, inclusive no mar, forçando o fim da campanha invasora Persa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *