Luiz Gabriel Lopes apresenta seu terceiro álbum, ‘MANA’, em dois shows em SP

Crédito: Fusca Azul Coletivo

Via Navegar – Comunicação e Cultura

O músico mineiro Luiz Gabriel Lopes, da Graveola, apresenta seu terceiro álbum solo neste final de semana em dois shows em São Paulo.

Cultivar as utopias. Não perder de vista a luz no fim do túnel. Como professar o otimismo em uma era carregada de más notícias? “Transformando a fé numa oração pra se cantar”, responde Luiz Gabriel Lopes já na primeira canção de “MANA”, seu terceiro disco, lançado em agosto e que vem recebendo elogios de crítica e do público.

[wbcr_php_snippet id=’53103′]

A hora e vez de São Paulo

Após estrear em Belo Horizonte e passar pelo Rio de Janeiro, o show chega a São Paulo pela primeira vez em fevereiro. São duas apresentações: no sábado, ele sobe ao palco do teatro do Museu de Arte Moderna (MAM), às 16h. No domingo, o show acontece no Sesc Campo Limpo, às 18h, ambos com entrada gratuita. Assim como ocorreu nas gravações do disco, Luiz Gabriel estará acompanhado por Téo Nicácio (baixo), Mateus Bahiense (bateria e percussão) e Daniel Pantoja (flauta transversal).

Psicodélico e pop, “MANA” traz uma mensagem pacifista traduzida em uma sonoridade enxuta. Em janeiro, o disco foi eleito o 63º melhor álbum de 2017 pelo tradicional prêmio Melhores da Música Brasileira, e o jornal carioca “O Globo” dedicou ao músico um perfil de primeira página em seu caderno cultural, classificando “MANA” como ótimo. No repertório do show, o público escuta o álbum na íntegra, e revisita ainda sucessos dos álbuns anteriores, “Passando Portas” (2012) e “O Fazedor de Rios” (2015). Os fãs do Graveola, banda mineira com a qual já gravou quatro discos como cantor e guitarrista, também poderão curtir versões especiais de hits do grupo, como Lembrete e Maquinário, além de interlúdios inéditos.

Com dez faixas e participações especiais de Mauricio Pereira e Ceumar, o álbum passeia por sonoridades mais cruas e diretas, calcadas em baixo, guitarra, bateria e flauta, diferente do trabalho anterior, “O Fazedor de Rios” (2015), onde havia maior profusão de elementos.

Ouça o álbum e aproveite os shows nesse final de semana:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *