A conexão 021 do Oxigênio Hardcore Fest

.Oxigênio Hardcore Fest

O Oxigênio Hardcore Fest traz à São Paulo duas das melhores coisas do Rio de Janeiro e não estamos falando de mate e biscoito Globo. Para aumentar o peso do lineup, os cariocas da Menores Atos e do Plastic Fire atravessam a via Dutra para trazer duas propostas sonoras diferentes unidas pelo mesmo sentimento.

Divididas no final de semana, ambas se apresentam no Palco Side Stripe. No sábado a atração principal é o Dance of Days e no domingo o Garage Fuzz, além de Dead Fish e Cueio Limão no palco Off The Wall nos dois dias.

Para aqueles que ainda não conhecem as bandas, fizemos um perfil de cada uma salientando os pontos característicos e antecipando o que esperar das apresentações no final de semana.

Confira!

[wbcr_php_snippet id=’53103′]

Menores Atos

Foto por Fernando Valle

A complexidade em rotular a sonoridade da Menores Atos depõe a favor da qualidade e da variedade de referências apresentadas no álbum Animalia. Após três anos do lançamento, cada audição traz uma nova nuance, um caminho ainda não explorado nas alternâncias melódicas.

Algumas vezes a técnica se sobrepõe ao sentimento na composição artística, porém a visceralidade apresentada nas músicas e letras equilibra cada elemento de forma orgânica. Não existe arrogância mesmo ao explorar ao máximo cada compasso, não sobra nenhum espaço entre os compassos, ali tudo é cheio.

Essa segurança não se perde ao vivo, quem teve a oportunidade de ver e ouvir ao vivo consegue notar como o álbum foi produzido. A mesma força se materializa através de suor, acordes e melodias.

O trio carioca lançou há pouco tempo o clipe para a música ‘Mar Aberto’ que saiu na coletânea Flecha Discos Vol. 1 . Depois do respeitado trabalho apresentado no Animalia, a Menores Atos conseguiu manter o alto nível e pavimentar o caminho para um já necessário novo álbum.

Plastic Fire

Foto por Karen Lusvardi

A longeva carreira do Plastic Fire já atinge 11 anos e após algumas mudanças de formação, três discos cheios e alguns splits, a banda não perdeu sua essência e segue referência do gênero. Muito além de Madureira ou Rio de Janeiro, seguem como expoentes e defensores de uma linha de hardcore rápido e com letras bem trabalhadas em metáforas bem construídas.

A sonoridade sem malabarismos e focada em cumprir exatamente o que propõe é a maior virtude da banda. Um conjunto sólido em que o protagonismo está na ideia e execução, o palco é um espaço compartilhado de visões semelhantes. Incluindo a sinergia entre banda e público é fator preponderante para a intensidade das músicas e apresentações.

Parte da verdade contida no Plastic Fire está no espírito suburbano que exaltam em qualquer lugar que passam. A essência de seus pontos de vista são transparentes, o sentimento de pertencimento e a sinceridade transmitidas só é possível por acreditarmos na vivências de cada integrante.

Este ano a nova formação deve entregar o primeiro álbum e após o hiato de quase três anos, finalmente receberemos mais uma dose de energia e reflexões que o Plastic Fire sempre proporciona em seus registros. Prepare-se para um show gigante no Oxigênio hardcore Fest!

Quer saber mais sobre o que acontece no universo da música independente? Curta a página do Frequência no Facebook e acompanhe nosso podcast no Soundcloud!  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *