O Mundo de Aisha – A Revolução Silenciosa das Mulheres Iêmen

Capa do Livro O mundo de aisha

Sem dúvida alguma, as diferenças entre o Oriente e o Ocidente são grandes quando o assunto é a condição de vida das mulheres. Abusos ocorrem diariamente em alguns dos países mais misóginos do mundo e pior, chegam a ser tratado como algo cultural. Não que o comportamento misógino não ocorra no Ocidente, infelizmente ele é bem disseminado por aqui, mas é fácil notar como as condições de vida da mulher são ainda mais precárias em alguns países do Oriente.

A HQ O Mundo de Aisha – A revolução silenciosa das mulheres do Iêmen, da fotojornalista Agnes Montanari, joga luz sobre a violência vivida pelas mulheres do Iêmen, um dos países mais pobres do mundo. Nela, somos apresentados a situação das mulheres do país: obrigadas a se casarem ainda na puberdade e reconhecidas apenas pelos seus olhos, as iemenitas vivem subjugadas pela crueldade de uma cultura de extrema tradição religiosa. A autora investigou essa triste realidade e, após passar três meses vivendo no país, produziu um material que revela a dinâmica de uma nação extremamente pobre e fundamentalista, onde as mulheres estão sujeitas à vontade dos homens, sendo tratadas como propriedades e desprovidas de humanidade.

O Iêmen, até então um local completamente desconhecido para mim, mostra fortes reflexos do Islamismo fundamentalista. A tradição dos casamentos arranjados, a submissão das mulheres aos seus maridos, o uso do véu por meninas que anseiam por exercer direitos que lhe são sistematicamente negados, a coragem e a determinação dessas mulheres são apenas alguns dos temas que irão estimular um mergulho nesse complexo pais.

Ao ler a incrível Graphic Novel O Mundo de Aisha, você terá uma percepção do silêncio, tortura e esperança das mulheres iemenitas que aspiram à liberdade e que tanto têm a dizer atrás de seu niqab, o véu negro que cobre seus rostos, deixando apenas os olhos descobertos. Leitura mais que recomendada!

A obra chega no Brasil pelas mãos da Editora Nemo, uma grata surpresa que tive nos últimos dias, e conta com tradução de Fernando Scheibe diretamente do original com o apoio da publicação francesa. Desenhadas em preto e branco e em curtos capítulos, as histórias de Aisha, Sabiha, Hamedda, Houssen, Ghada, Ouda e Fatinsão reunidas e contadas por meio das ilustrações e do roteiro de Ugo Bertotti traçam um emocionante retrato da luta pelo direito à liberdade.

Leo Cruz

Especialista em criar aquilo que um dia você vai procurar no Google. Fã de Filmes, Séries e Animes, escreve diariamente no Deveserisso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *