Oscar

Que o Oscar não é justo, isso talvez todos nós já saibamos. Porém vale destacar, já que são aproximadamente 7 mil votantes, a premiação da Academia tem um caráter digamos mais “honesto” do que por exemplo um júri de festival. Vide o Festival de Veneza de 2010, onde o júri presidido por Quentin Tarantino premiou com Leão de Ouro o insosso “Em um Lugar Qualquer” de sua ex-namorada Sophia Coppola.

De todo modo, mesmo não esperando pela “justiça”, em uma breve análise do histórico da premiação é possível encontrar alguns absurdos, “Dança com Lobos” venceu “Os Bons Companheiros”, “Gente como a Gente” bateu “Touro Indomável”- Martin Scorsese sempre injustiçado- dentre dezenas de absurdos. Porém em duas edições o negócio foi exacerbado.


Quando as escolhas no Oscar ultrapassaram o limite da injustiça

Shakespeare Apaixonado

Em 1999, dentre os cinco que chegaram ao páreo final, três filmes abordavam a Segunda Guerra Mundial. “O Resgate do Soldado Ryan”, brilhantemente dirigido por Steven Spielberg que levou a estatueta da categoria. “Além da Linha Vermelha”, também focado nos fronts da Segunda Guerra e dirigido por Terrence Mallick. O superestimado italiano “A Vida É Bela”, desenrolado nos absurdos campos de concentração nazistas. E tínhamos ainda “Elizabeth”, focado na história da rainha homônima, estrelado por uma já maravilhosa Cate Blanchet.

Mas dentre todas as opções, o que encantou a Academia foi “Shakespeare Apaixonado”. Um romance água com açúcar adaptando a história de amor do autor mais popular desta galáxia e produzido pelo, na época, poderosíssimo Harvey Weinstein.

[insert_php] include(TEMPLATEPATH . ‘/confira.php’); ?> [/insert_php]

Pior ainda aconteceu em 2011, em que tivemos dez indicados e os nove preteridos são melhores que “O Discurso do Rei” que pelo menos emplacou Colin Firth como melhor ator. Sem adjetivos, vejam que o filme que levou o careca dourado está abaixo de todos seus concorrentes. Alguns deles, após sete anos, já são considerados jovens clássicos como “A Origem”, “Cisne Negro” e “Toy Story 3”.

Indicados Oscar 2011

Torçamos pela não repetição destes absurdos, mas não é necessário esperar justiça. Afinal o Oscar é uma celebração do cinema, onde a premiação é só parte do entretenimento. Boa festa à todos!

https://deveserisso.com.br/blog/wp-content/uploads/2018/01/oscar-2018.jpghttps://deveserisso.com.br/blog/wp-content/uploads/2018/01/oscar-2018-150x150.jpgMurilo LucchiniOscar
Que o Oscar não é justo, isso talvez todos nós já saibamos. Porém vale destacar, já que são aproximadamente 7 mil votantes, a premiação da Academia tem um caráter digamos mais “honesto” do que por exemplo um júri de festival. Vide o Festival de Veneza de 2010, onde o...