Resenha Literária – O Livro dos Títulos do autor Pedro Cardoso

Pedro Cardoso segurando O Livro dos Títulos
Keyni Andrade / O Globo

Para o poeta Carlos Drummond de Andrade, a leitura era uma fonte inesgotável de prazer. Se você, como ele, tem prazer na leitura, tenho certeza que entende a sensação quase mágica de encontrar um livro apaixonante. As palavras soam como uma música inebriante que toma conta de sua mente e a leitura flui como se nada mais importasse. Começa-se a ler de manhã e quando percebe já é de noite. Sem se dar conta estamos acordando mais cedo apenas para terminar um capitulo. Sei que você entende isso! É uma sensação fantástica, não é? E o livro de hoje me deixou assim.

Antes de mais nada, preciso confessar uma mania estranha: dependendo do livro, o meu narrador mental tem um tipo voz. Por exemplo, um livro de terror tem a voz do Vincent Price. Esse hábito tornou tudo ainda melhor, porque a voz desse era a de Agostinho Carrara (A Grande Família). E o motivo disso se explica quando você descobre que a resenha literária de hoje é sobre “O livro dos Títulos” do ator, redator, roteirista, autor, escritor e humorista brasileiro Pedro Cardoso.

[insert_php] include(TEMPLATEPATH . ‘/filmes.php’); ?> [/insert_php]

Minha história com o livro começou em um domingo qualquer, enquanto andava pela Paulista com minha namorada. Decididos a olhar as novidades na Livraria Cultura dentro do Conjunto Nacional, tomamos coragem e fomos encarar o mar de pessoas que toma conta do espaço aos domingos de Av. Paulista aberta. Entre tantas coisas, encontrei o excelente Hibisco Roxo da Chimamanda Ngozi Adichie (logo a resenha estará por aqui). Já estava voltando feliz para casa quando bati o olho num livro de capa rosa e letras amarelas. Ao olhar seu verso me deparei com uma foto do autor segurando uma caneca com seu nome numa mão e na outra um porquinho da índia. Como não levá-lo para casa?

[wbcr_php_snippet id=’53103′]

Pedro Cardoso já era uma pessoa por quem tenho muita estima, seja por suas falas politicas ou por seus papéis na TV e no cinema, mas havia recém-descoberto seu trabalho como escritor através de alguma entrevista perdida pelo Youtube. Confesso que me interessei, mas não fui atrás da obra. Em entrevista ao Estadão, o autor afirmou que quis escrever o livro numa tentativa de organizar algumas ideias e ansiedades sobre o País e compartilhar suas inquietações. “Escrevi sob o impacto dos acontecimentos dos últimos anos e um pouco desesperado de tanta coisa sobre as quais eu gostaria de falar. Mas o livro é um romance e não um ensaio teórico. O que os personagens dizem não é o que eu diria. Eu acho que eu nem sei bem o que eu diria – estou vazio de certezas”, afirmou. Mal sabia eu que ele iria organizar também as minhas ideias e ansiedades.

Vamos ao que interessa!

Toda história se inicia com essa pedrada:

“Eu nunca gostei de ler, mas sempre gostei de livros. Quando era jovem, e cria que toda a gente prestava atenção em mim o tempo todo, eu carregava sempre um livro comigo e fingia ler. Eu acreditava que sendo um grande leitor, ninguém jamais sentiria pena de mim por eu estar constantemente sozinho. O livro me protegia da piedade dos outros.”

Quem diz isso é Genuíno Jesus Cristóvão do Amanhã, o protagonista do romance, que confessa, logo no primeiro parágrafo, que não gosta de ler – mas gosta de livros. Os livros eram seu escudo contra o mundo e sua leitura funcionava como uma droga capaz de levar sua mente a outros lugares enquanto fingia ler. Mas, ele se apaixonou. Seu amor tinha porto-seguro em Constância, uma jovem aficionada por livros. Qual meio seria mais eficaz para Genuíno conquistá-la do que escrevendo um livro. Esse é, basicamente, o enredo de O Livro dos Títulos, uma história de amor e de loucura que acompanha o personagem principal ao longo da vida.

[wbcr_php_snippet id=’53103′]

Porém se apenas isso fosse, ele não seria tão encantador. A história se passa em um Brasil a beira de um colapso social com o surgimento de várias notícias de corrupção em todas as esferas de poder (qualquer semelhança com a atual situação é mera coincidência?). Em meio a tanta coisa, situações que você poderia ter vivido são mostradas em todo o seu absurdo. Nossos medos, alegrias, tristezas e pequenos momentos de loucura estão lá. A cada página você se identifica cada vez mais Genuíno Jesus chegando a não ter mais certeza se aquelas palavras são dele ou seus próprios pensamentos transcritos de forma mágica em um livro de páginas simples.

Resumindo, o livro é bom e a leitura flui divertida e descompromissada. Não haveria de ser diferente, afinal um livro que fala sobre o amor aos livros e das incredulidades da vida moderna e do esfacelamento do Brasil sem soar como um artigo acadêmico já é bom por si só. Agora junte isso a mente fantástica de um escritor como Pedro Cardoso e você tem um livro que pode ser lido e relido sem nunca perder a validade.

Onde comprar O Livro dos Títulos:

Se você se interessar pela obra, o preço mais barato que encontramos foram os R$ 26,09 da Americanas, mas deixamos todas as opções encontradas para adquirir o livro onde você se sentir mais confortável. O importante, como já dizia Tim Maia, é que você leia o livro.

Se já leu, gostaria muito que você compartilhasse sua experiência com O Livro dos Títulos nos comentários!

Leo Cruz

Especialista em criar aquilo que um dia você vai procurar no Google. Fã de Filmes, Séries e Animes, escreve diariamente no Deveserisso.

Um comentário em “Resenha Literária – O Livro dos Títulos do autor Pedro Cardoso

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *